Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, todos aqueles que me ouvem neste momento, quero, neste horário de Liderança do PT, em meus 10 minutos, falar sobre eleições.
Sou incentivado a iniciar pela eleição em Salvador, porque há pouco um Deputado da Bahia, do DEM, Deputado Claudio Cajado, falava mal do candidato a Prefeito do PT em Salvador, Nelson Pellegrino.

O Deputado Claudio Cajado estápreocupado porque o Deputado Nelson Pellegrino está falando dos programas do Governo Federal, está falando do Bolsa
Família. Ora, mas está certo o Deputado Nelson Pellegrino, como eu, nesta campanha, lá no Estado do Pará, ao longo da BR-163, ao longo da Transamazônica, estava falando do asfaltamento das rodovias; eu estava falando do Bolsa Família; eu estava falando do Luz para Todos, mesmo com os problemas, mesmo com os atrasos; eu estava falando de Belo Monte; eu estava falando dos financiamentos; eu estava falando do PRONAF.

Quem tem que falar disso é o Deputado Nelson Pellegrino. Quem não pode falar, lá em Salvador, desses programas é o candidato do DEM, porque eles foram contra o Bolsa Família. Eles chamavam de vagabundos os pobres que precisavam do Bolsa Família. O DEM e o PSDB lá da Bahia, lá de Salvador, não queriam, eram contra o Programa.

Agora todo mundo é a favor dos pobres, todo mundo faz os seus programas na televisão querendo voto do mais pobrezinho. Mas o Democratas e o PSDB sempre foram contra o Bolsa Família. Não se importavam se todo mundo iria morrer, se iria ficar com fome, porque quem ganha bons salários come do bom e do melhor, e quem não tem um salário, coitado, às vezes até comer o pão com ovo é difícil.

O Deputado Nelson Pellegrino é que tem que falar das universidades, é que tem que falar das cotas raciais, porque o DEM chegou a entrar na Justiça contra as cotas raciais, Presidente. Como é que o Deputado Antonio Carlos Magalhães Neto, agora, candidato a Prefeito de Salvador, vai falar a favor delas, se eles são contra, se o Democratas é contra, se o PSDB é contra essas cotas?
Então, parabéns ao Deputado Nelson Pellegrino. O Democratas e o PSDB não podem ficar com ciúme, porque essas são políticas do nosso Governo, do Presidente Lula e da Presidente Dilma Rousseff.

Diferente de políticas do passado que endividaram o Brasil, colocaram o País de joelhos diante do FMI, privatizaram, sumiram com o dinheiro, não prestaram contas à Nação, não tinham programas e quando os tinham, eram para inglês ver.

Com toda a ofensiva do mensalão, cujo julgamento termina esta semana, com direito à retrospectiva na Globo e com a condenação de pessoas que sempre lutaram pela democracia do País, como o Dirceu, o Genoíno —Parlamentar exemplar, que enfrentou a ditadura, lutou para construir um partido que é o maior partido do Brasil e do mundo —, o Partido dos Trabalhadores é o partido que mais fez Prefeituras, que mais recebeu votos e que ainda iráganhar em São Paulo, no domingo. O PT vai ganhar São Paulo do presidenciável José Serra! Domingo! Essa será uma grande resposta.

Nós estamos envolvidos nesse debate, enquanto, por este País afora, o caixa 2 nas eleições foi uma coisa desastrosa. No meu Estado do Pará, em Município com 12 mil eleitores, o candidato a Prefeito gastou, em uma semana, 5 milhões de reais. Em uma semana, 5 milhões de reais foram gastos para tomar do Partido dos Trabalhadores a Prefeitura do Município de Brasil Novo, mas nós ganhamos na justiça.
E vamos provocar a justiça de novo, ainda que tardiamente.

Mas quando um Prefeito chega a ser caçado, isso acontece já no terceiro ano de seu exercício, o que o pobre do substituto, que terá apenas 1 ano ou 1 ano e meio, vai fazer com uma Prefeitura falida, endividada, sem royalties, sem grandes rendas? O novo Prefeito assume a Prefeitura no terceiro ano e no quarto anos já é eleição!
Pois bem, o caixa 2, sobre o qual comentou ontem a Ministra — Meu Deus, não pode! Caixa 2!—, o caixa 2 só vai deixar de existir quando este Congresso Nacional tiver coragem para propor a reforma política, para fazer mudanças na política.

Acabar, inclusive, com muitas siglas de aluguel, que não são partidos coisa nenhuma. Já estamos chegando a 30 partidos no Brasil; daqui a cinco ou seis anos pode chegar a 40.Isso vira uma mercantilização na hora das eleições. Quem tiver um milhão no bolso já sai fazendo alianças e fechando acordos. Aí é muito difícil ganhar democraticamente, com programa de governo, com debate político sério.

Então, eu vi com meus olhos, eu participei, eu enfrentei, eu enfrento lá no Estado do Pará que, muitas vezes, um plano de manejo florestal de cinco ou dez mil metros cúbicos de madeira, liberados pela Secretaria Estadual de Meio Ambiente do Estado do Pará, o cara dá 300 mil para o candidato. Se dá 300 mil, ou 400 mil, então arruma um milhão facinho para um municipiozinho do interior, como Anapu, na Transamazônica. Aí vocêjunta uma frente com dois ou três milhões, aí o outro candidato não tem 200 mil reais, nem 300 mil, então quem vai ganhar a eleição? A proporção é muito maior para quem está com esses recursos.

E qual éa capacidade, qual é a potencialidade da Justiça Eleitoral de agir e julgar em tempo as injustiças eleitorais que estão acontecendo no interior desse Estado? É muito pequena. Prefeitos que depois que ganham, como no caso de Medicilândia, no Pará, o Prefeito pega as máquinas e o óleo que são doados pelo INCRA ou pela Norte Energia e coloca dentro da fazenda dele. E quem tem a coragem de ir lá filmar, enfrenta os capangas da fazenda que tomam suas máquinas e batem nessas pessoas, que estão registrando queixa na delegacia de polícia agora, para ir procurar um promotor para ver se o Ministério Público age, porque há lugares no interior onde o Ministério Público é morno para caramba, é ausente. E aí, Prefeitos em fim de mandatos, a exemplo de Medicilândia — eu estou registrando nesta tribuna —, vamos acionar a Justiça para ir lá e prender as máquinas na Prefeitura, trabalhando, fazendo estrada, fazendo açude, desmatando juquira (capoeira) como chamam, além das máquinas, o dinheiro, o óleo diesel doado para fazer estradas.

Mas não pirraça, não constrói, Sr. Presidente.
Então, eu fico, assim, indignado, porque, de um lado, aparenta que ficha limpa, ficha suja, quantos processos, aqui nesses tribunais, de desvio de dinheiro da Educação! Dez anos, não julga, e o cara écandidato, e ganha de novo, e ele não é vítima de Lei da Ficha Limpa, o ficha suja, porque os processos estão aí amontoados. Pilha de processo de mais de dois metros de altura, que, se julgar, ele não é mais candidato nas próximas eleições. Quero ver quando vai julgar! Quero ver quanto tempo a Justiça vai fazer uma varredura para varrer um monte de político sujo que tem por aí neste País e que anda dando uma, aqui, de cara limpa, aqui dentro do… por aíafora.

Então, Sr. Presidente, eram esses os comentários. E quero dizer parabéns ao Nelson Pellegrino em Salvador, que deve falar, mesmo, das bolsas família, porque o Democratas e o PSDB foram contra o Bolsa Família, são contra universidade, são contra as cotas raciais. E agora andam dando uma de bonzinho, lá, para tentar enganar os eleitores em Salvador.

Muito obrigado.