O Deputado Zé Geraldo PT/PA e o novo presidente do Incra, Carlos Guedes de Guedes. Foto David Alves (MDA)

 

O economista Carlos Guedes de Guedes assumiu nesta terça-feira, dia 24/07, às 11 horas, em Brasilia (DF), a presidência do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – Incra em substituição de Celso Lacerda que conduziu a autarquia desde o início de 2011.

Carlos Mário Guedes de Guedes tem 41 anos e é economista graduado pela Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Foi delegado federal do Ministério do Desenvolvimento Agrário no Pará, secretário de Planejamento, Orçamento e Finanças do governo do Pará e superintendente nacional de Desenvolvimento Agrário do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra).

No Ministério do Desenvolvimento Agrário foi secretário extraordinário de Regularização Fundiária na Amazônia Legal e coordenador geral do Núcleo de Estudos Agrários e Desenvolvimento Rural. Antes de assumir o comando do INCRA, Guedes cumpria a função de secretário executivo adjunto do Ministério do Desenvolvimento Agrário.

Para o Deputado Zé Geraldo (PT/PA) que tem acompanhado e colaborado com todo o trabalho do novo presidente á frente de diversas funções no Ministério do Desenvolvimento Agrário, no Governo do Estado do Pará; e no próprio Instituto do qual é servidor efetivo e atual presidente, Carlos Guedes assume o Orgão num momento crucial, onde a condução das ações relacionadas á Reforma Agrária no Brasil, principalmente na Amazônia, precisam ser remodeladas. Para esta missão foi acertada a escolha de um gestor com amplo conhecimento dos problemas fundiários da Amazônia.

A expectativa do parlamentar paraense é a de que a presidenta Dilma tome a decisão de fazer os investimentos necessários para fazer a Reforma Agrária no Brasil. “Além de rever o modelo, além de repensar a Reforma Agrária, é preciso tomar uma decisão de investir os recursos necessários para fazê-la de forma eficiente. E esta eficiência deverá acontecer desde o momento em que o trabalhador é assentado, é colocado em sua terra, passando por todas as ações destinadas á capacitação, investimentos em produção e comercialização e, claro, todas as condições para que este trabalhador possa produzir e produzir de forma sustentável.” Assegura o parlamentar que dedica grande parte do seu mandado para o desenvolvimento da Agricultura Familiar.

Zé Geraldo, que também é trabalhador rural, acredita que a grande saida para uma Reforma Agrária eficiente será a transferência de toda a sua infraestrutura para o Programa de Aceleração do Crescimento – PAC como está acontecendo com outros programas, bem como nos investimentos nas hidrovias, nas rodovias, nas hidrelétricas, no saneamento, na habitação. “Vocês podem perceber que onde tem ações do PAC não faltam recursos e os resultados efetivamente aparecem.” Afirma o deputado.

Segundo o deputado petista como a Reforma Agrária depende dos recursos do Orçamento Geral da União, nunca se vota, nunca se tem os recursos necessários para fazer a Reforma Agrária. “ No Estado do Pará, por exemplo, onde se tem o maior número de assentados do Brasil, além de contar com 3 superintendências do INCRA, o volume de recursos sempre está muito aquém das necessidas para a infraestrutura da Reforma Agrária. Talvez necessitaríamos de 5 vezes mais de recursos para estradas, saneamento básico, escolas, saúde, apoio para agroinsdústrias, programas de comercialização da produção e desenvolvimento de arranjos produtivos. A saida portando será a domada de decisão politica para fazer uma Reforma Agrária que seja definitiva para o Brasil. Como acredito que a presidenta Dilma certamente tomará está decisão, a presença de um gestor com reconhecida e experimentada atuação na área certamente irá contribuir para o fortalecimento do Incra para enfrentar este desafio. Além disso, seu conhecimento e trânsito pelo Ministério do Desenvolvimento Agrário certamente aumentará seu capital político e gerencial para a implementação da Reforma Agrária no Pará, na Amazônia e no Brasil.” Completa o Deputado Zé Geraldo.